Uma experiência com Nossa Senhora Aparecida

10547414_999177543432761_2954087239452326766_n

Em janeiro deste ano (2015), quando as inscrições para a Consagração a Jesus Cristo por Nossa Senhora iniciaram, comecei a rezar porque ainda não tinha certeza se deveria, ou não, me consagrar. Foi ai que, a partir das minhas orações, Deus veio me  dando confirmações. Mas eu ainda assim tinha muita dúvida, aliás, muito medo.

No dia anterior ao que se iniciava o período de preparação para a Consagração eu rezei e Deus me pediu para não ter medo. Neste mesmo dia eu tive uma confirmação por meio do convite de uma amiga para entrar com Nossa Senhora em seu casamento. Eu entendi que foi uma confirmação de Deus para que eu me inscrevesse na Consagração.

Esta mesma amiga do casamento estava decidida a não fazer chá de panela, mas Deus suscitou em meu coração, em uma oração no meu grupo, que as amigas deveriam fazer o chá de surpresa para ela. Decidimos fazer e eu estava bem a frente, por ser muito amiga e madrinha de casamento.

Na quinta-feira antes do chá eu estava bem preocupada com os preparativos, não sei se este foi um dos motivos, mas enquanto rezava no meu grupo (Nascente das Águas) Deus me deu a visualização do chá, onde nós (as amigas) rezávamos em um círculo com ela ao centro e Nossa Senhora em suas mãos. Eu pedi a Deus uma luz para o entendimento daquela imagem, o que Ele queria me dizer e continuei rezando quando senti que Deus queria me falar que seria fundamental a presença de Nossa Senhora neste chá.

Até ai tudo bem, pois já tinha a imagem de Nossa Senhora de Fátima que será levada no casamento. Foi então que no final do grupo eu fui a sorteada para levar Nossa Senhora para a minha casa. (O grupo Nascente das Águas tem uma imagem de Nossa Senhora Aparecida que é levada a cada semana por membros do grupo para peregrinar nas famílias.). Para mim mais uma confirmação da fundamental presença de Nossa Senhora. Contei as amigas o que havia acontecido e como sentia que Nossa Senhora deveria estar presente não somente no chá, mas no matrimônio dela.

Levei Nossa Senhora Aparecida para o chá de panela, pois pensei que deveria peregrinar com ela. Ao final do chá combinamos de fazer uma oração com ela e o noivo, que pedimos que chegasse de surpresa, pois entendi que o casamento deles já estava sendo abençoado. Mostrei a ela o porquê do chá surpresa e tudo que havia acontecido. Foi lindo!!  Então ela me disse, chorando de emoção, o quanto estava impressionada porque há algum tempo ela rezava e sempre vinha a imagem de Nossa Senhora Aparecida  e ela não entendia. Hoje ela é devota.

Meu coração ainda estava inquieto e Deus me mostrou que eu tinha que peregrinar com Ela. O próximo passo foi ir a casa de uma amiga em que sua irmã estava com suspeita de câncer. Graças a Deus a hipótese foi afastada, mas foi detectada uma tuberculose ganglionar, mas ela não tem e dado bem com os remédios. Foi mais um chamado que Deus me fez para rezar. Fui a sua casa rezar com a família dela.

Eu estava muito apreensiva, pois não sabia como conduzir uma oração, o que falar, etc. Comecei rezando o terço mariano e pedindo para o Espírito Santo e Nossa Senhora me conduzirem. Ao final da oração Deus me mostrou a música “Se queres Tu podes curar” e pediu para falar para a família que a estava abençoando e que a cura de sua filha é certa, mas também estava querendo uma cura espiritual em todos. Eles, devotos de Nossa Senhora, agradeceram e mostraram enorme felicidade com a presença dela e confirmaram que Ela é muito presente em suas vidas.

Seria de costume a imagem peregrinar uma semana com cada pessoa. Eu me senti ainda mais agraciada, já que no dia do Halleluya não tivemos grupo de oração na comunidade e permaneci com ela. Foi ai que eu senti que eu não podia parar.

Na segunda semana liguei para uma amiga para parabenizar pelo seu aniversário. Mas ela não estava com ânimo de comemorar, já que tem sofrido muito com a gestação, pois ela não consegue comer e já emagreceu 10 quilos em apenas 3 meses.  E convidou as amigas mais próximas  para posteriormente tomarmos um café em sua casa. Foi ai que meu coração falou mais alto e pedi para levar a Nossa Senhora Aparecida para rezarmos. Questionei o fato das outras amigas concordarem, mas ela foi enfática e disse que ela que autorizava e quem se sentisse a vontade poderia ficar. Me animei!

Levei o terço e rezamos. Como sempre eu estava tensa em conduzir uma oração, queria saber o que falar e desta vez até dor de cabeça tive de tantas respostas que queria de Deus, mas fui pedindo a Ele que me acalmasse.

Foi ai que Deus me mandou muitas lembranças, principalmente da mãe dela que falecera  quando minha amiga ainda estava grávida de seus primeiro filho.  Sentia muito forte que Deus me dizia que a presença dela era muito forte naquele local, naquela família. Independentemente da ausência física ela estava ali presente. Na mesma hora lembrei-me da lembrancinha distribuída no batizado da criança: frasco de água benta em formato da imagem de Nossa Senhora Aparecida. Mais uma confirmação.

Ao final do terço estávamos muito emocionadas. E eu disse: Não sei se vocês têm alguma devoção especial, mas Deus pediu muito que eu trouxesse Nossa Senhora para peregrinar aqui. Então ela tirou de seu pescoço o pingente com a imagem Dela e confirmou a devoção que ela “aprendeu” com sua mãe.

Não tinha mais dúvidas de que, por meio da intercessão de Nossa Senhora, Deus mais uma vez fez confirmações em minha vida. Mas ainda faltava um passo importante que era estar na presença Dela em minha própria família. Marquei um dia com amigos para recebe-los, mas ninguém respondeu às minhas mensagens, ninguém pode ir. Quando chegou perto do horário que eu havia combinado Deus me pediu para chamar a minha família e eu, mesmo de última hora, sai mandando mensagens para tios e tias chamando para rezar o terço em minha casa. E para minha surpresa todos se fizeram presentes.

Foi uma graça rezar o terço em família pela primeira vez muito tranquila e sem pedir nenhuma resposta de Deus para saber o que falar. Mas como Deus é fiel e misericordioso eu tive mais uma graça que foi ver meu pai rezando conosco. Ele é meio resistente, daqueles que diz que é católico , mas não vai a missa, etc. Meu coração se alegrou quando ele abraçou Nossa Senhora, pediu para tirar uma foto e disse: “Eu sou devoto Dela, fiz uma promessa e tenho até que ir em Aparecida para agradecer.”

Mais um fato aconteceu em minha família. A pessoa que me criou está com câncer e é protestante. Quando a chamei para rezar o terço, ela foi e ficou sempre ao lado de Nossa Senhora. Ao final ela ajoelhou e beijou-a. Mais uma confirmação da presença forte de Maria em minha vida, minha família e de que eu não posso parar de peregrinar com Ela. Continuarei rezando por isso.